4 filmes incríveis de Natal para você aproveitar em 2019

12 dezembro 2019

De um tempo pra cá, tenho refletido sobre várias tradições e padrões que repetimos, e tenho buscado ressignificá-los na minha vida. E o Natal é um deles.

Pra mim, Natal significa estar junto com quem a gente ama, rir, conversar w curtir as energias e vibrações que toda nossa família emana, é mais que isso: é vibrar em um amor genuíno, pleno e simples.

Mas eu tive uma pequena ajuda na hora de descobrir o que o Natal realmente significava para mim, e essa ajuda veio dos filmes; foi um momento tão gostoso, que quando eu vi tinha passado a tarde inteira assistindo 3 incríveis filmes de Natal, e so parei de ver porque precisava cumprir outras obrigações. Você á tirou um tempo para ver filmes de Natal nessa época tão bonita? Eu não tinha feito isso ainda, o que significa que eu só reproduzia o padrão natalino sem que isso tivesse um sentido para mim.

E para ajudar vocês nessa busca pelo real sentido do Natal, aqui vai 3 filmes incríveis de Natal para você curtir com sua família!

Natal fora de casafilmes de Natal

Filme de 2016 com a perfeita Taylor Cole e Michael Rady; conta a história de uma super atriz famosa, Jessica, que vai para uma pequena cidade gravar um filme de Natal, se hospedando no Hotel do Matt, que também é o prefeito da cidade e não gostou nada da ideia dessa gravação (ele odeia mudanças). É uma história bem cativante que nos chama para um romance que começa quando a Jessica entende o significado de Natal de verdade, as tradições, o amor... rsrsrs
A cidade em que eles estão é uma graça, e é simbolo do Natal, eles possuem várias tradições que chama os cidadão a se envolverem uns com os outros e a compartilharem.

De repente noivafilme de natal

Apesar do nome não ter nada a ver com o Natal, o filme é. Conta a história da designer de interiores, Layla, que logo no início sofre com o casamento da sua prima com seu ex-noivo; ela acaba indo acompanhada ao casamento com o Seth, o galã que apresentou seu ex-noivo à sua prima. Eles acabam inventando uma farsa de noivado para que os convidados parassem de olhá-la como " a coitadinha que perdeu o noiva para a prima", e precisam manter para que ela consiga um emprego com um cara que é muito amigo do Seth, vocês já imaginam o desenrolar da história, né? Layla sonha em casar no Natal, será?

O filme é pequeno, e mostra como a Layla amolece o coração do Seth para o Natal, ele só pensava em trabalhar, trabalhar e trabalhar; mas no final do filme, acaba amando o Natal!

Uma viagem de Natalfilmes para o natal

Essa foi uma das histórias que mais me chamou atenção, por causa da personagem principal. Emory é uma mulher independente, escritora e que vive viajando e sem uma casa fixa. Ela vai para um chalé na época do Natal, para poder escrever sobre o Natal americano, mas ao chegar, ela se depara com o Scott e sua filha que também haviam feito a reserva. Por motivos de tempestade de neve, ela fica, com o objetivo de ir embora assim que desse. Mas as coisas vão acontecendo, os dois vão se aproximando ao realizar a lista do Natal perfeito da Kate, filha de Scott. Emory, que nunca teve tradições de Natal porque sempre viveu viajando, descobre a importância do Natal e de estar perto de quem ela ama. É um filme muito fofo, e eu me identifiquei muito com a Emory: quero viajar o mundo e viver escrevendo.

Estrada para o Natal filmes bons para o Natal

Maggie Baker é uma produtora de televisão que fica responsável por realizar o especial de Natal, mas um convidado inesperado pode atrapalhar a produção desse ano.
Para mim, esse filme falou sobre a importância do trabalho coletivo, que sozinhos poder ir longe, mas com a ajuda dos outros podemos ultrapassar os limites esperados; além de dizer que precisamos superar as desavenças, principalmente familiares, e ter maturidade para pedir perdão, aceitar o erro e seguir em frente, fazendo as coisas diferentes e tentando ser melhor.

Esses foram os filmes que tocaram o meu coração nessa época linda de Natal; apesar de todos terem em comum o Natal, cada um mostra ensinamentos diferentes para o nosso dia a dia, para nos ajudar a caminhar sendo uma pessoa melhor a cada dia que passa.

Vocês já viram algum desses filmes? Tem mais algum para me indicar? Adoraria ver outros filmes até chegar o Natal, uma época de tanta energia boa (e energia ruim também) e de amor! Que o ser divino ilumine vocês todos os dias, feliz Natal!

Racismo velado no Brasil- tema redação dissertativa argumentativa

18 outubro 2019

Por mais que pareça muito tempo, a abolição da escravatura no Brasil fez 130 anos em 2018, ou seja, existem indivíduos que tiveram pais e avós escravizados, libertos e jogados na sociedade sem nenhuma política para integrá-los na sociedade como cidadãos e não ex-escravos.

O racismo existe claramente no Brasil, porém se tornou tão costumeiro, "velado". Os padrões de beleza, por exemplo, são uma fonte de preconceitos, quando as pessoas dizem "cabelo ruim" querendo se referir à um cabelo crespo que é comum a negros e afrodescendente; assim como termos presentes no vocábulo português, como denegrir, que é usado negativamente e significa tornar algo negro.

O mais triste quando se fala de racismo velado é saber que todo brasileiro é racista, mesmo inconscientemente. As crianças crescem vendo uma novela em que pessoas negras são empregadas, marginalizadas, sem estudo e educação; vendo chacinas de negros nos jornais por puro racismo, como disse um jovem cantor negro em uma de suas músicas, "a cada 23 minutos morre um jovem negro", isso no Brasil em 2018.

 Portanto, o racismo é mais do que agredir física ou verbalmente uma pessoa negra, é também julgar ou olhar torto, no silêncio. A mancha desumana na história do Brasil é muito recente e o país a carregará para sempre, mas é necessário questionar sobre como é visto um negro no cotidiano da sociedade atual, sobre padrões de beleza que excluem os negros, e até termos preconceituosos. O racismo só acabará, se é que isso um dia será possível, quando os brasileiros lutarem por direitos iguais na prática, quando se questionarem e defenderem uns aos outros.

Por que os homens precisam do feminismo?

15 outubro 2019

O feminismo é muito falado como uma corrente necessária na vida das mulheres, e sabemos que ela existe  (apesar da nomenclatura vir muito depois) há muito tempo,  o que não se fala, ou quase não se fala, é da necessidade do feminismo na vida dos homens da mesma forma que existe essa necessidade na vida feminina. O machismo, apesar de atingir diretamente as mulheres, também atinge os homens diariamente, vamos entender o porquê disto?

Da mesma forma que as mulheres são criadas com estereótipos para seguirem os padrões femininos; para serem donas de casa; mães; calmas e delicadas; os homens também sofrem com estereótipos masculinos, de que pessoas do sexo masculino precisam ser mais fortes, não podem ser sensíveis, não podem chorar, precisam ser cavalheiros e o provedor da casa. São padrões que também machucam os homens e trazem para eles consequências negativas, como, por exemplo, já se perguntaram o porquê de filhos serem mais ligados às suas mães? Um dos motivos é: o pai é tão concentrado no estereótipo de que o único papel dele é prover o filho e que ele não pode ser carinhoso e sensível, até com o próprio filho, porque isso é o trabalho das mulheres. NÃO! É dessa forma que eles se distanciam dos filhos, ou melhor, nunca se aproximam deles; e são essas e outras as consequências ruins desses estereótipos de uma sociedade patriarcal. E posso provar que é assim que as coisas acontecem, porque na minha casa é assim, e na de vários dos meus amigos. Claro, existem exceções.

Não quero de forma alguma priorizar os homens do que as mulheres quando se diz em quem sofreu e sofre mais em relação ao machismo, porque isso é óbvio. O machismo massacra muito mais as mulheres, não só fisicamente, mas também socialmente; na nossa atual sociedade, as mulheres são inferiores aos homens, principalmente quando se trata de respeito e oportunidades.

Porém, em minha opinião, é equivocado dizer que o machismo não afeta, e até mata, homens também, e você vai entender o motivo.

Por que os homens não podem chorar se algo o machuca, seja física ou mentalmente? Eles são ensinados, e infelizmente a maioria aprende, a serem frios e insensíveis, sem sentimentos; mas nós somos humanos e racionais (ainda bem), é mais do que natural nos sensibilizarmos com as coisas ao nosso redor.

Existem pressões socais em cima dos homens que os massacram, como, por exemplo, ter que ser forte, provedor sozinho da casa, cavalheiro e etc... (ainda iremos discutir o machismo impregnado no cavalheirismo, ok?).

Fomos ensinados de que mulheres são as sensíveis e os homens o contrário, mas isso é uma peculiaridade de cada um. Exemplo: eu, mulher, não sou uma pessoa que se importa com o modo como as pessoas falam comigo, se são 100% delicados ou não, nunca chorei pelos meus boys, e etc... Mas não significa que sou fria, ainda sou humana, ok? Visto isso, podemos dizer que deveríamos definir quem é sensível ou não a partir da própria pessoa, não é? Mas não é assim que funciona. Conheço amigos que são sensíveis, preciso ter cuidado com as palavras, mas não aceitam ser caracterizados como uma pessoa sensível porque fere a sexualidade dele; ou seja, afeto é uma característica feminina, se um homem a tiver, ele não é do sexo masculino o suficiente e já é chamado de “viado”.

Sabendo disso, fica claro a falta de liberdade que os homens possuem em demonstrar seus sentimentos, o que explica fielmente o porquê dos homens se suicidarem mais do que as mulheres; depressão e ansiedade são tabus para eles justamente pela falta de contato com suas próprias emoções e de compartilhá-las com outros; de acordo com esse link, 30% dos homens entrevistados acreditam que doenças como a depressão e a ansiedade são causadas por causa da falta de fé, enquanto apenas 17% das mulheres entrevistadas pensam o mesmo; a mesma pesquisa diz que os homens comentem 4 vezes mais suicídios do que as mulheres. Faltam ou não informações e discussões sobre esse assunto com os homens?

Conclusão: a sociedade patriarcal não traz benefícios para ambos os sexos e nunca trouxe, e é um erro tremendo dizer que o machismo não afeta e mata os homens. Precisamos urgentemente quebrar essa masculinidade frágil masculina e falar com eles sobre seus sentimentos e seus problemas; precisamos quebrar esses estereótipos para que cada um de nós seja caracterizado pelas nossas particularidades, sem essa obsessão de que nossa sexualidade está sendo ferida, você não é mais homem ou mais mulher porque chora ou não. Você é você, e fim.


Tecnologia do Blogger.
Blog Clara Oliveira | Tema base por: Laís Portal | Personalizado por Clara Oliveira